O dinamismo do mercado e corrida por competitividade tornou a Tecnologia da Informação, a famosa TI, uma importante aliada estratégica das empresas.

Hoje dificilmente encontra-se negócios que não dependam de recursos tecnológicos para manter suas operações, sejam para rotinas simples como troca de e-mails e comunicação entre funcionários, até controles e gestão de empresas.

Segundo um estudo realizado pela ABES – Associação Brasileira das Empresas de Software, o setor de TI no Brasil, que abrange os mercados de hardware, serviços e softwares, cresceu 22.9% em 2020, registrando investimentos de mais de 200 bilhões no ano.

Não há como negar que a pandemia impulsionou grande parte dessa aceleração, porém, esse fato não descarta a evolução da tecnologia da informação ao longo dos anos, que vêm assumindo um papel cada vez mais estratégico nas empresas.

A busca incessante por inovação, agilidade, produtividade, redução de custos, qualidade e segurança, tornam cada vez maiores os investimentos em novas tecnologias. “A sociedade está mais envolvida com os avanços tecnológicos, exigindo experiências diferenciadas e alta qualidade, seja em produtos, serviços ou atendimento”, comenta Alan Lopes, CEO da CRM Services.

Empregar a TI de forma estratégica nas operações de uma empresa impacta diretamente na sustentação do crescimento do negócio, gestão, controle, e na segurança das informações.

O que é e o que faz a tecnologia da informação

A tecnologia da Informação consiste em uma série de atividades, bem como soluções, processadas através de recursos computacionais, o que envolve banco de dados, hardwares, softwares e redes domésticas ou empresariais.

Dentre seus objetivos, estão a obtenção, armazenamento, proteção, processamento, acesso, gerenciamento e uso de informações e dados de uma pessoa, seja ela física ou jurídica.

Com isso, a TI age na maneira como dados podem ser coletados, analisados e classificados, para que se transformem em informação e, então, serem disponibilizados e protegidos.

Mas não há como falar de tecnologia da informação sem envolver o profissional de TI. É ele quem promove e propõe atividades que irão facilitar a organização de dados internos e que proporciona a busca por inovação tecnológica e o cumprimento das legislações, como, por exemplo, a LGPD – lei geral de proteção de dados.

Além disso, cabe ao responsável pela tecnologia da informação monitorar o processamento de dados, realizar a manutenção de softwares e hardwares e auxiliar em áreas como segurança da informação, computação em nuvem e proteção de dados.

TI e Segurança da informação

Apesar de próximos, os conceitos de Tecnologia e Segurança da informação não devem ser confundidos.

Enquanto a tecnologia de informação age desde a coleta de dados até o tratamento e proteção da informação, a segurança da informação é um processo que envolve um conjunto de estratégias, ferramentas e políticas que têm o objetivo de proteger um negócio de ameaças, ataques e, até mesmo, sequestro de dados.

Dessa forma, a segurança da informação atua com base em três pilares principais:

  • Integridade, para assegurar a sobrevivência das informações;
  • Disponibilidade, para garantir que os dados estarão disponíveis o tempo todo;
  • Confidencialidade, para assegurar o sigilo dos dados.

Além disso, a segurança da informação trabalha para detectar e prevenir vulnerabilidades no setor de TI da empresa e proteger dados armazenados na nuvem, por exemplo: proteger o sistema operacional contra-ataques virtuais; administrar o acesso de usuários às informações privadas e estabelecer políticas para regular o uso de dados.

Governança de TI

Para que os processos de TI estejam devidamente alinhados com a estratégia do empreendimento, é necessário, ainda, um acompanhamento, denominado governança de TI.

É através dessa prática que normas, políticas e diretrizes são pensadas para melhorar o desempenho do negócio, ou seja, direcionar e fiscalizar o que está sendo seguido e cumprido, além de atuar como um mecanismo de controle para proteger informações, diminuir custos, otimizar recursos e dar suporte para a tomada de decisões.

Diante de tudo, é importante compreender a área da Tecnologia da Informação como uma maneira de atualizar novas tecnologias e implementar metodologias que possibilitem a inovação.

“Hoje, uma empresa que conta com Governança de TI está à frente de seus concorrentes, garantindo não só a segurança das informações, mas otimizando recursos operacionais e táticos para que o negócio atinja o nível de maturidade necessário para alavancar seu crescimento”, conclui Alan Lopes. Um exemplo disso é o caso das metodologias ágeis, que já são aplicadas em diversas organizações e aproveitam recursos como Scrum, Kanban e Kaizen para aumentar a produtividade dos trabalhadores, possibilitando o alinhamento da empresa com atividades que, de fato, valem a pena para um futuro inovador.