Para entendermos bem sobre o que é e quais as funções do RPO Protheus, é importante compreendermos o funcionamento do software de gestão em sua raiz, basicamente, os “bastidores” do ERP.

O TOTVS Protheus possui diversas funções, comandos, estruturas e operações que são, de certa forma, a engrenagem de todo o sistema. Quando compilados, todos esses dados tornam-se unidades de inteligência básica e recebem o nome de APO – Advanced Protheus Objects.

Os APO’s são mantidos em um outro local, o RPO – Repositório de Objetos Protheus, onde é possível incluir atualizações ou personalizações realizadas no sistema. É também o local onde estão todas as funções, patchs e informações, carregadas de forma dinâmica pelo AppServer.ini para que as rotinas sejam executadas pelo TOTVS Protheus.

Sobre RPOs múltiplos

A tecnologia desenvolvida pela TOTVS permite que sejam criados diretórios de RPO’s auxiliares para facilitar testes em base e compilar arquivos antes de subi-los em produção. Essa ação permite testes e entrada em produção de personalizações rápidas, sem precisar aplicar o pacote no repositório padrão. Essa ação é chamada de “troca quente”.

Para que esse recurso funcione, antes de copiar qualquer base teste para o RPO personalizado, deve-se indicar o caminho da pasta no AppServer, além das chaves de RPO já existentes no ambiente.

Os ambientes de RPO’s personalizados não interferem no RPO default do TOTVS Protheus, muito menos os patch’s, arquivos ou dados gravados neles, então, não há riscos de interferências na base em produção.

Compilação de dados para o RPO Protheus

Como uma opção de plataforma mais leve para desenvolvimento do que o TDS – TOTVS Developer Studio, que substituiu o Dev Studio, a TOTVS tem utilizado o VsCode – Visual Studio Code.

Através do VsCode é possível compilar fontes e pastas, depurar fontes locais e webapp, gerar, aplicar e informar patch’s, desfragmentar RPO, além de verificar sua integridade, gerar WS do Protheus, entre outras funções.

Saiba mais sobre o VsCode – Visual Studio Code.